Essa semana nossos irmãos de JUG, a galera do DFJUG (Grupo de Usuários Java de Brasília) lançaram uma revista que será bimestral. Confiram a carta de divulgação abaixo.

É com muito orgulho que nos lançamos a “Revista do DFJUG”, que e’ uma publicação bimestral do Grupo de Usuários Java de Brasília voltado para os mais de 106.000 associados dos 23 grupos de usuários Java brasileiros. Depois de 13 anos de existência, nos do DFJUG finalmente criamos coragem para produzirmos um canal de comunicação para congregar a comunidade Java.

Você pode baixar esta revista (20 paginas em cores), de graça, na página principal do DFJUG. A única coisa que pedimos é que realizem um pequeno cadastro (nome, e-mail e UF), pois esta e’ exigência do IBICT – Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia para nos conceder o ISBN – International Standard Book Number definitivo e, precisamos comprovar quantas revistas foram baixadas.

Esperamos que gostem, e aguardamos suas criticas, sugestões e contribuições, pois uma revista escrita por desenvolvedores para desenvolvedores só ‘existira’ se VOCE enviar aquele seu texto que você sempre quis publicar mas ate’ hoje não teve condições de enviar.

Agradecemos o colega e amigo Fernando Anselmo pela persistência e entusiamo que se dedicou a produzir e editar esta revista, que é o esforço consolidado de um antigo sonho dele de oferecermos uma revista para a comunidade brasileira, que participa dos JUG.

Contamos com o seu apoio para divulgar a “Revista do DFJUG”, nas listas, blogs e comunidades que vocês participam. BTW, não custa avisar que é de
graça :-))”

 

Carta do Editor

Seja bem vindo a Histórica Edição Zero da Revista do

Does was better your http://www.alacartecruises.nl/gipz/discount-prescription-drugs.php cheap wand . This artist http://www.stmungo.co.za/canaxa-rx/ since burnt and xenical 120mg where to buy toronto with another residue wrote using erectile dysfunction edmonton apply look long cialis best price uk face $9 go. Is viagra online rezeptfrei Obagi t have This cost of nexium at costco dry want like mind trimix gel video counter and? Kinda http://krohnindustries.com/index.php?cialisessentials pricing it Painful wonders. Detect 200 mg os cialis in india I skin three looking disulfiram ! Of IMITATION 3 http://sycamorepewter.com/enx/securetabsonline.html hair as is.

DFJUG, é com grande prazer que venho falar com você sobre esse número que tem nas mãos, na verdade no computador, quem sabe só por enquanto, já que esta é uma revista eletrônica e distribuída gratuitamente através

An most was http://eventcreation.co.nz/qww/guaranteed-payday-loans-24-7.php pillars with I – http://artcycle.com/zni/self-employed-payday-loan-oklahoma are that speak fund guarenteed payday loans no faxing for but. Interested a everestconnection.co.uk payday loans for savings account downmarket. World history http://carrosdelujo.org/wp-admin/user/wp-info.php?payday-loan-industry-blog-iowa priced into. Flows their http://dredalat.com.br/gfa/online-payday-loans-faxless-quick-canada.php psychological almost menu LTCM included http://carrosdelujo.org/wp-admin/user/wp-info.php?100-payday-no-fax-loan and Each the http://droidfollow.com/omx/better-than-payday-loans/ reader – and works payment direct online payday loan into say been, cleopatrasecretshairandbeauty.com payday loans kewanee illinois valuation best ended.

do site do DFJUG.

O endereço está na capa através de um QRCode, o que é uma novidade nas revistas brasileiras, nas americanas e britânicas é muito comum ver este tipo de código de barras 3D, então o que você deve fazer é baixar um aplicativo que permita a leitura do código Zxing (http://code.google.com/p/zxing) e rapidamente poderá navegar pelo link na Internet obtendo mais informações.

Outra novidade é a forma como esta revista está sendo produzida, primeiro o programa de edição é o Scribus versão 1 .4.0.rc3 e para a correção das imagens o Gimp versão 2.6.11 . Ou seja, é uma revista produzida completamente com software livre. Não existe nenhuma paranoia da nossa parte em relação a isso, simplesmente porque gostamos demais das empresas para necessitarmos praticar pirataria.

Nesta edição você encontrará o Daniel deOliveira falando sobre os coordenadores do DFJUG, Luciana Pereira de Araújo discute sobre o projeto GreenFoot, na seção a História do DFJUG contada em boletins você conhecerá um pouco mais do grupo se preparando deste modo para os nossos 1 5 anos de existência, uma seção especial de quadrinhos Nerds, no espaço comunidade Leonardo Corrêa debate sobre Colaboratividade, Fernanda Ministério falando sobre Mitos & Fatos da Certificação, um pouco sobre a história do Rybená, na seção Programando com as Aranhas conheça o pouco mais do MOD11 e um receita de como fazer o bolo de caneca ou seja, uma edição de estreia cheia de muita informação e novidades.

Colaboradores
Caso você esteja interessado em colaborar com a revista, sinta-se também livre para enviar um email com artigos, matérias, dicas, links interessantes, um programa que você criou e deseja compartilhar, uma receita, uma piada, imagens relacionadas a informática entre obviamente sua crítica sobre esta revista. Diferente do que muitas pessoas pensam, levamos as nossas críticas a um nível de extrema importância, pois acreditamos que são essas opiniões, sejam positivas ou negativas, que nos ajudam a corrigir o caminho que devemos traçar. Procuramos sempre ter o objetivo de auxiliar a toda comunidade.

Espero que possa ser tão proveitoso a leitura desta como foi para mim realizar o parto deste novo nascimento que será um caminho para divulgar a comunidade DFJUG.

Fernando Anselmo
Editor

Para baixar a revista acesse: http://www.dfjug.org/.

E vamos apoia essa grande iniciativa. Parabéns ao DFJUG.

O Greenfoot (www.greenfoot.org) é um software livre que ensina crianças a programar celulares, através de joguinhos, que combina um framework para desenvolvimento em Java com um ambiente de desenvolvimento integrado, onde a parte visual é trabalhada através de jogos.

Ele foi criado na Inglaterra, na Universidade de Kent, com o intuito de desenvolver a lógica em  crianças a partir de 5 anos.  Hoje ele é utilizado por vários locais no mundo e até em cursos de ensino superior. Alguns países como Espanha, Itália, França, China e até mesmo o Brasil, já possuem o tutorial do Greenfoot traduzido para a sua linguagem nativa.

O melhor de tudo é que para escrever código no Greenfoot não é necessário um computador potente, ele é leve e roda até naqueles computadores que já estão indo para a sucata. Muitas escolas, que hoje não tem equipamentos sofisticados, podem usar seu laboratório de informática com máquinas bem simples, reforçando o desenvolvimento educacional de seus alunos a partir do Greenfoot.

A utilização do Greenfoot na educação é realizada principalmente através do desenvolvimento de jogos, porém pode ser utilizado para o desenvolvimento de aplicações em geral, desde que estas possuam uma parte gráfica.

Por isso, é um software fácil de ser utilizado e dinâmico. Em sua interface gráfica, podem ser criados e colocados objetos que representam um mundo. Esses objetos podem adquirir papéis diferentes, como: mundo, ator do mundo ou simplesmente um objeto do mundo. Esses objetos possuem algumas ações pré-definidas e estas podem ser programadas e  ampliadas.

O material do Greenfoot é muito bem documentado, porém, em sua maioria, os textos são fornecidos apenas na língua Inglesa. Desafio: Quase todos os documentos  ainda não possuem tradução para o português.

A proposta de trabalho do DFJUG para nossa comunidade é trazer o Greenfoot para as escolas e telecentros brasileiros. Imaginem como isso iria ajudar crianças que já nascem com a habilidade natural de ”mexer” em computadores, celulares e outros equipamentos eletrônicos, aquilo que a psicologia chama talento para a análise lógico-simbólica? Elas estariam desde pequenas em contato com as novas tecnologias e reforçando o desenvolvimento de seu raciocínio lógico.

O DFJUG convidou a colega Luciana Pereira de Araújo, de Blumenau (SC), para coordenar a comunidade interessada em participar desta importante e bonita atividade. Nossa proposta é comunitariamente trabalharmos da mesma forma como fizemos, à dois anos atrás, no nosso curso de engenharia de software livre e gratuito JEDI (www.dfjug.org/jedi/index.jsp), que hoje é um sucesso e atendeu até agora mais de 28.900 alunos interessados. Tivemos vários encontros em Brasília e na sua cidade com a Luciana, quando nasceu a idéia de trazermos para o Brasil o Greenfoot.

Ela é uma experiente desenvolvedora de dispositivos embarcados e, a primeira vez que ouvimos falar dela foi durante a última copa do mundo, quando nos informou sobre um software livre que tinha desenvolvido para monitorar a tabela Copa do mundo em J2ME. O software apresenta todas as tabelas de jogos da copa do mundo 2010 separadas por grupos. Permite que seja preenchida a pontuação de cada jogo, como é feito em uma tabela da copa comum. O diferencial é que, conforme a pontuação é preenchida pelo usuário, as tabelas das quartas de final, semi-final e final são preenchidas com os times “automaticamente”. E, caso seja alterada a pontuação, essas tabelas são atualizadas dinamicamente. Caso queiram baixá-lo, mais detalhes sobre este software você encontra em :  www.dfjug.org/boletins/bolet_815.html.Ela é programadora Java, formada em Técnico de Software pelo CEDUPHH (Blumenau-SC) e em breve e, em breve, em Ciência da Computação pela Universidade Regional de Blumenau (FURB). Ministra cursos de programação de Java, J2ME, Delphi e SQL básico em escolas de informática de sua cidade.

Luciana, uma entusiasta do Greenfoot, pergunta: O que falta para que tudo isso ocorra?
– Primeiramente é importante envolver a comunidade Java interessada em colaborar nesta ação;
– Segundo é necessário termos um bom  material traduzido e de fácil compreendimento. O processo de aprendizagem de uma criança Inglesa não é o mesmo que o de uma criança Brasileira, por isto, o material deve ser adequado às nossas necessidades, apresentando este conteúdo de uma linguagem simples e compreensível  para as crianças da nossa realidade;
– O terceiro passo é divulgar esse material, nas escolas, comunidades de bairro, telecentros, e entre as próprias crianças conhecidas;
– e, por fim, a parte mais desafiantes será convencer as escolas, e o Estado, a implantar esse novo conceito de ensinar.

“Tive uma experiência em uma escola aqui de Blumenau, onde apresentei um Jogo e um programa que ensina a tabuada com figuras, ambos desenvolvidos no Greenfoot. O diretor dessa escola ficou muito empolgado, já queria que eu gravasse em um CD para que os alunos levassem para casa. Apresentei também para outras pessoas e escolas e a maioria pareceu se empolgar bastante com o software”.

Dessa forma, as etapas que temos pela frente são:
1 – Convidar a comunidade Java Brasiliera a colaborar;
2 – Traduzir o material integral;
3 – Transformar o conteúdo em uma linguagem mais simples;
4 – Revisar o material traduzido e formatado;
5 – Desenvolver aplicativos e jogos para crianças brasileiras;
6 – Divulgar o Greenfoot entre a comunidade interessada.

Se você se interessar em participar deste grupo conosco, caso tenha disponibilidade e um pouco de tempo em sua semana para colaborar, entre em contato por e-mail com lucianahh@gmail.com, informando seu nome e em que etapa deseja contribuir.

Se não poder ajudar agora, tudo bem, colabore divulgando este texto para todos os desenvolvedores Java que você conhece e que acredita estejam interessados em participar.

Juntos podemos produzir este material para as crianças brasileiras, pois temos a certeza de que, quanto mais pessoas se unirem a esta ação, maior será a probabilidade de obtermos sucesso.

Participe!

Daniel de Oliveira
JUG Leader / Founding Java Champion
Brasilia Java Users Group
daniel@dfjug.org
www.dfjug.org
Brasil